Restauro de pinturas do Mosteiro de S. Miguel de Refojos: “Alegoria à Imaculada Conceição” e “Anunciação”

Pertencendo ao acervo patrimonial do Mosteiro de S. Miguel de Refojos de Basto, as pinturas a óleo sobre tela Alegoria à Imaculada Conceição (c. 1600) e Anunciação (c. 1600) inserem-se num conjunto retabular constituído por cinco pinturas tardo-maneirista e possuem qualidade artística inquestionável, cuja autoria é atribuída ao pintor portuense Francisco Correia (1568-1616) [1].
Apresentando-se em avançado estado de degradação, é premente uma intervenção de conservação e restauro, em prol da sua preservação, a realizar pelo atelier de conservação e restauro Porto Restauro, Lda.
O conteúdo desta publicação, que será periódica, visa essencialmente reflectir sobre a problemática da intervenção de conservação e restauro a desenvolver, face às particularidades das duas obras, cuja complexidade estrutural das telas se revela elemento essencial na plasticidade e interpretação das camadas pictóricas das duas pinturas.
Para o efeito, uma abordagem interdisciplinar será desenvolvida e o trabalho a realizar no suporte tecido será integrado numa tese de doutoramento sobre o uso de telas na pintura portuguesa, desde a sua implementação até à sua produção industrial [2].
Através deste estudo de conservação e restauro será possível conhecer a estrutura dos suportes, os tipos de fibras, os fios de teia e de trama utilizados, as estruturas ortogonais representadas e suas densidades.
Por conferirem certa anisotropia ao suporte, estes elementos influenciam os demais estratos das pinturas, nomeadamente as camadas pictóricas. Nas pinturas de Francisco Correia em análise, esta influência é bem visível na textura e plasticidade das camadas pictóricas, deixando transparecer as estruturas complexas das telas e acusando a presença de estratos pouco espessos, ambos tão determinantes na abordagem de conservação e restauro a seguir.
Desta forma, a análise das propriedades físicas, mecânicas e químicas dos materiais constituintes destes suportes tecidos contribuirá para um conhecimento mais aprofundado das obras, ajudará a identificar as causas de degradação e permitirá determinar a abordagem de conservação e restauro a seguir.

[1] CABECEIRAS DE BASTO, Câmara Municipal de – S. Miguel de Refojos, um despertar de Memórias. Cabeceiras de Basto: Câmara Municipal, 2008.
[2] Tese desenvolvida por Rita Maltieira, doutoranda do Curso de Doutoramento de Conservação e Restauro em Bens culturais, Especialização em Pintura, da Universidade Católica Portuguesa e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia [SFRH/BD/70937/2010]

Porto Restauro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esta entrada foi publicada em Descobrindo as colecções com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s