Memórias do Território: 3.º Encontro de História Local

Data: 17 e 18 de maio
Local: Museu das Terras de Basto (Núcleo Ferroviário de Arco de Baulhe)

Com esta atividade pretende-se dar a conhecer a História de Cabeceiras de Basto, bem como o Património existente.
No primeiro dia, 17 de maio, sexta-feira, terá lugar um conjunto de cinco comunicações, distribuídas entre a manhã e a tarde.
No dia seguinte, 18 de maio, sábado, Dia Internacional dos Museus, decorrerá uma visita ao património concelhio (ver programa).
A participação na sessão de comunicações e na visita ao património é gratuita.
O almoço do dia 18, que será no Restaurante Botas, é pago (12 euros por pessoa).
As inscrições já se encontram abertas (ver boletim de inscrição).
Inscriçâo: pode ser feita no Núcleo Ferroviário de Arco de Baúlhe ou enviada por email (museuterrasdebasto@cabeceirasdebasto.pt).

Nestas Memórias do Território: 3.º Encontro de História Local continuam a trilhar-se os caminhos e a conhecer os homens que ontem e hoje habitaram e habitam Cabeceiras de Basto. Começamos com um mestre da palavra e um conhecedor das Terras de Basto, das suas gentes, do seu património e da sua gastronomia – Camilo Castelo Branco. Recuamos no tempo e vamos conhecer a Casa onde outro notável homem de Letras, Sá de Miranda, privava com os amigos – a Casa da Taipa. Descemos aos infernos para sermos salvos por S. Bartolomeu e vamos conhecer a Festa, do santo é claro. Festa antiga com tradição em Cabeceiras e que atrai a veneração de muitos forasteiros devotos ao Santo e à água que brota perto da Capela. Vamos entrar no Mosteiro de S. Miguel de Refojos e conhecer o seu núcleo de pinturas seiscentistas. Vamos ter o privilégio de perceber como é que velhas pinturas, delidas pelo tempo, foram cuidadosamente restauradas e de novo disponibilizadas à fruição dos homens. E terminamos a tecer, a tecer os fios da vida das mulheres de Bucos, herdeiras de um saber ancestral que estas teimam em trazer até nós.
Vamos ainda ter tempo de inaugurar uma pista de comboios em miniatura, fruto do mecenato em boa hora concedido pela empresa FERESPE: Fundição de Ferro e Aço, Lda. e cuja concepção e execução tem vindo a ser realizada em colaboração com o Externato de S. Miguel de Refojos.

(IMF)OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Esta entrada foi publicada em Memórias do Território com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s