No País do Tamanco

O Noroeste de Portugal, como a vizinha Galiza, foi território de maior difusão do calçado com base de madeira, que oferece a vantagem de ser quente, hidrófugo e resiliente. Mais fácil de fabricar do que o de couro, o calçado de pau resistia ao rápido desgaste provocado pelo uso nos trabalhos da lavoura, em deslocações nos pedregosos e enlameados caminhos rurais de outrora ou nos carreiros de montanha, pois tinha o piso reforçado com cardas e brochas ou ferrado com aro de metal, nas últimas décadas substituído por cortes de borracha de pneu velho.
Já no final do século XVIII, o naturalista germânico Heinrich F. Link, que viajou por Portugal nos anos 1798-99, reconheceu esta diferença na forma de vestir e calçar ao longo do país, observando a propósito que a roupa também difere do traje do sul de Portugal, em especial os tamancos são aqui muito vulgares, enquanto que mais em direção a sul já não se vêem.
Porém, no dia-a-dia era comum o pé descalço, tanto em crianças como nos adultos, independentemente de género ou atividade laboral, denotando falta de recursos e o hábito de assim caminhar. O calçado, fosse de pau ou de sola, aprisionava os pés e estorvava, por isso ficava reservado para os dias festivos, as deslocações à Vila ou a ida à romaria.
Mesmos nestes casos, retirava-se durante o trajeto para maior comodidade e poupança.
Foi assim que José Augusto Vieira (1886) viu os romeiros de S. Bartolomeu de Cavez, um grupo em que ia uma rapariga esbelta, de capa dobrada na cabeça e socos na mão para marchar mais ligeira. Mais atrás seguiam duas ou três comadres que fecham o rancho com os alvos merendeiros à cabeça e os tamanquinhos na mão, como que para demonstrar o luxo e a superfluidade dessa peça de vestuário.

Teresa Soeiro (UP/FLUP – CITCEM)

Designação: Ofício
N.º de inventário: T15
Função: Mesa baixa onde o tamanqueiro trabalha.
Material: Madeira.
Dimensões: Comprimento: 82,00 cm; altura 55,00 cm; largura: 74,00 cm.
História: Mesa de trabalho que foi usada pelo tamanqueiro Manuel António Teixeira Leite.
Proprietário: Paulo Jorge Teixeira Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Rua Irmão Pedro Basto, Cabeceiras de Basto).
t15
Designação: Banco do tamanqueiro
N.º de inventário: T14
Função: Usado no acabamento dos paus. Formado por uma grossa prancha de madeira, com aplicação de um pequeno cepo, sobre o qual apoiava o pau durante o trabalho.
Material: Madeira.
Dimensões: Comprimento: 87,00 cm; altura 50,00 cm; largura: 28,00 cm.
História: Esta peça foi feita há cerca de 40 anos, por Manuel António Teixeira Leite, para ser usado nos acabamentos dos paus dos socos.
Proprietário: Paulo Jorge Teixeira Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Rua Irmão Pedro Basto, Cabeceiras de Basto).
t14
Designação: Forma
N.º de inventário: T10
Função: Para socos.
Material: Madeira, tira de couro.
Dimensões: Comprimento: 25,00 cm; altura 11,00 cm; largura: 8,50 cm.
História: Esta forma para socos tem cerca de 80 anos, foi utilizada primeiro por Manuel Alves Leite, pai de José Alves Leite, este último atualmente com 90 anos.
Proprietário: José Alves Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Pinhel, Cabeceiras de Basto).
t10
Designação: Toro de amieiro
N.º de inventário: T13
Função: Para fazer o pau dos socos.
Material: Madeira (amieiro).
Dimensões: Comprimento: 31,00 cm; altura 6,50 cm; largura: 11,00 cm.
Proprietário: José Alves Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Pinhel, Cabeceiras de Basto).
t13
Designação: Machada
N.º de inventário: T17
Função: Usada para rachar os toros de madeira.
Material: Metal, madeira.
Dimensões: Comprimento: 33,00 cm; altura 33,00 cm; largura: 14,50 cm.
História: Esta machada foi usada pelo tamanqueiro Manuel António Teixeira Leite.
Proprietário: Paulo Jorge Teixeira Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Rua Irmão Pedro Basto, Cabeceiras de Basto).
t17
Designação: Formão
N.º de inventário: T16
Função: Usado para fazer o círculo “beira”, onde vai pregar o couro.
Material: Metal, madeira.
Dimensões: Comprimento: 40,50 cm; altura 40,50 cm; largura: 6,00 cm.
História: Esta ferramenta foi usada pelo tamanqueiro Manuel António Teixeira Leite.
Proprietário: Paulo Jorge Teixeira Leite (União de freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Rua Irmão Pedro Basto, Cabeceiras de Basto).
t16

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Etnografia com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s