A lenda da D. Comba

Reza a lenda que, há muitos séculos atrás, viveu na Casa da Taipa (em Cabeceiras de Basto, S. Nicolau) uma senhora fidalga e muito poderosa chamada D. Comba.

Esta mulher possuía um coração de pedra, era malévola e comprazia-se em fazer aos outros as maiores crueldades.

Por exemplo, frequentemente mandava os criados pescar trutas no rio mais próximo (provavelmente o Rio Peio), sentindo prazer em vê-las fritar ainda vivas.

Consta que D. Comba tinha poucos preceitos religiosos e morais, tendo até mantido uma guerra aberta e muito feroz contra os frades do Mosteiro Beneditino de S. Miguel de Refojos.

Conseguiu vencê-los sem dó nem piedade, tendo-se atrevido entrar montada a cavalo e acompanhada pelos seus sequazes, na bonita igreja daquele mosteiro. Os cavalos aí se mantiveram, fazendo esta senhora da igreja uma estrebaria!

Mas o castigo divino acabou por chegar, e o povo garante a pés juntos que, depois de morta, a alma dela nunca encontrou o descanso divino. De facto, todas as sextas-feiras, pela calada da noite, D. Comba pena por terras da Casa da Taipa. Quem quiser pode ir, numa sexta-feira à noite, atentar numa luz que desce a colina próximo da Casa da Taipa, dá várias voltas à Capela da Casa e volta para a colina. Mas, por muito que as pessoas tentem ninguém a consegue ver, pois, mal se aproximam a luz apaga-se…

Conclusão, aqui pode aplicar-se o ditado popular “Não faças mal ao vizinho, que o teu mal pelo caminho vem”.

Advertisement
Esta entrada foi publicada em História local, Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s