Moinhos de Cabeceiras de Basto – condução e captação de água (continuação)

As levadas tanto podem resultar de açudes próprios, ou seja, açudes que apenas represam água para o moinho que servem, como tratarem-se de levadas também empregues na rega dos campos – levadas de regadio. Em Cabeceiras registam-se:

-197 moinhos com levadas próprias
-174 moinhos com levadas de regadio
 Verificam-se ainda alguns casos em que o moinho se situa na margem dos cursos de água, aproveitando directamente a água deste, não existindo qualquer levada.

O comprimento da levada é determinado pelo caudal do rio e pelo seu comportamento na estação chuvosa e seca. Depende também do declive das linhas de água, quanto menos acentuada for, mais longa terá que ser a levada para conseguir o desnível pretendido. A sua pendente anda à volta dos 1,5 a 2%.

 

As levadas, sendo apenas canais de condução da água até aos moinhos, terminam junto deste. A partir daí a condução da água ao rodízio é feita ou por cales ou cubos.

 

Em cabeceiras encontramos:

– 63 moinhos de cales, 16% das unidades

– 271 moinhos de cubo, 71% do total

 

As cales são simples caleiras descobertas e inclinadas, que terminam um pouco acima do rodízio. Em Cabeceiras, tanto as encontramos em pedra, como em simples troncos escavados, em tábuas paralelas ou a afunilar.

Sendo um sistema que necessita de um caudal de água abundante, encontramo-lo numa percentagem reduzida dos moinhos. Prevalece apenas na freguesia de Basto, sendo, no entanto, bastante significativa em Outeiro e Bucos.

 

Os moinhos de cubo são predominantes no concelho. Existem sob diversas formas, mas estruturalmente são condutas construídas em granito de grande massa, pois, se o desnível for grande na base, a água atinge pressões bastante elevadas.

 

Existem cubos encostados aos moinhos com a forma de pirâmide irregular ou quadrangular invertida e vértice aberto para o cabouco. Estes cubos-reservatórios surgem como solução para a escassez de água no Verão, tal como alguns moinhos de cubo vertical.

 

Nalgumas reconstruções, os cubos e caleiras têm sido substituídos por outros materiais de fabrico industrial, como o fibrocimento, um material bastante duradouro e que dispensa o moroso trabalho de aparelhagem.

Esta entrada foi publicada em Moinhos com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s